Sociedade União Musical Alenquerense

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
  • Livro
  • 1 Dezembro 2016

Eu e a S.U.M.A. - 19 Abril 2016

Desde o dia 1 de Dezembro de 1890, que a SUMA tem vindo a desenvolver e a incentivar muitas crianças, jovens e adultos, do concelho de Alenquer, para o mundo da música.

A partir do momento em que nos inscrevemos nesta escola, somos acolhidos como irmãos e passamos a fazer parte desta família.

Já perdi a conta dos anos em que estou na SUMA. Comecei em pequena a aprender solfejo (aprender solfejo é aprender o nome das notas, o tempo das figuras e das pausas… para assim aprender a ler as pautas musicais. Pode parecer simples, mas acreditem que não é!) com os alunos mais velhos da sociedade e passei para o clarinete. Depois de alguns anos apercebi-me que o meu instrumento não era o clarinete. Nem sempre acertamos no instrumento certo à primeira mas, se a vontade é grande, havemos de o encontrar. Nesse momento mudei para a flauta.

Ser aluna da escola de música enriqueceu-me não só como flautista mas também como pessoa. Criamos um elo de amizade muito grande com os nossos professores porque eles nos vêm a crescer e acompanham-nos em várias fases da nossa vida. Os professores são como irmãos mais velhos que nos incentivam e nos dão força para continuar a estudar e a prosseguir o caminho, mesmo que por vezes seja difícil.

O meu grande objetivo ao entrar para a SUMA era pertencer à banda. Quando assistia aos concertos ficava ainda mais motivada para praticar, para também eu poder um dia tocar com a grande banda e mini-banda da SUMA. Assim que o meu professor viu que eu estava preparada, permitiu-me a realização desse sonho e pude então orgulhar-me e dizer que finalmente era um membro da banda.

Posso contar-vos que fazer parte de uma banda como a SUMA é como ter uma segunda família e é uma experiência que todas as crianças deveriam ter, apercebemo-nos que fazemos parte de um grupo, que todos somos importantes e que precisamos de trabalhar não só para a nossa própria evolução, mas principalmente para a evolução da banda. Eu sou jovem e sei que muitas vezes abdico de outras coisas de que gosto, para conseguir ir ao ensaio de sexta-feira à noite, mas quem corre por gosto não cansa e quando temos os nossos amigos na banda, cada ensaio vale a pena!

No caso da mini-banda e da banda, os nossos “professores” são os maestros. São eles que nos fazem sentir o que estamos a tocar e nos mostram em que aspectos podemos evoluir. Há sempre algo a melhorar, mas não se preocupem, “só custam os primeiros 50 anos” ;)

O tempo foi passando e agora, professora de solfejo, vejo uma oportunidade de passar todas as vivências, a experiência e a amizade que outrora me passaram a mim. É gratificante ver os nossos meninos a progredir e saber que no futuro vão ser grandes músicos, melhores pessoas e quem sabe, futuros professores…

Não sei o que o futuro me reserva, mas enquanto depender de mim, permanecerei nesta casa que me fez nascer para o mundo da música e me ensina a crescer a cada dia.

Carolina Brites

(Flautista)

Voce Esta: Crónicas Eu e a S.U.M.A. - 19 Abril 2016