Sociedade União Musical Alenquerense

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
  • Livro
  • 1 Dezembro 2015

Sociedade União Musical Alenquerense

Eu e a S.U.M.A. - 04 Julho 2016

“Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.”

Nunca uma frase de Fernando Pessoa fez para mim tanto sentido, para mim a SUMA é o retrato claro desta mesma frase.

Quis Deus que há 125 anos atrás nascesse a Sociedade Philarmónica Operária Alenquerense, e um grupo de homens que não gostavam de ficar de braços cruzados tornou o sonho realidade.

Mas talvez mais importante do que os seus fundadores, são aqueles que ao longo dos anos têm vindo a batalhar para que a atual Sociedade União Musical Alenquerense tenha chegado até aos nossos dias, sempre jovem e dinâmica. E o segredo para que isso tenha acontecido é bastante simples. O segredo é o carinho que os Alenquerenses, assim como os sócios, os músicos, os maestros, os professores e os directores que pela SUMA passaram ao longo destes 125 anos, depositam no colectivo.

Eu posso dizer-vos que tenho imenso orgulho em pertencer à banda da SUMA. É uma responsabilidade acrescida quando se é músico de uma banda com tanta história, mas no fim, ao ver que o público, assim como nós músicos ficou satisfeito, sente-se a recompensa.

A SUMA é muitas vezes referida como uma família e como uma segunda casa devido ao companheirismo que existe entre os músicos, e eu não sou excepção. A SUMA é também para mim uma segunda casa e uma segunda família, é também um local onde se aprende música e onde aprendemos a conviver em sociedade de forma saudável e ao mesmo tempo é um local onde crescemos como pessoas e aumentamos a nossa cultura musical. Eu só tenho a agradecer, pois sinto que cresci muito com a SUMA, para mim é uma amiga que eu tenho com a qual compartilho momentos únicos, dos quais me irei relembrar um dia mais tarde.

Estou na SUMA há aproximadamente seis anos, mas lembro-me bem de ser ainda miúdo e ouvir o concerto do dia oito de Dezembro do lado da plateia e ficar muito concentrado a ouvir a banda. Para mim os concertos da SUMA tinham e têm algo de fantástico. Ver o meu irmão no meio dos músicos da SUMA era para mim um enorme motivo de orgulho e isso despertou dentro de mim a vontade de me juntar à banda. Na altura não sabia que viria a fazer parte da banda mas hoje, fazendo parte da mesma, sinto-me feliz por poder ser músico numa banda com a história e com a importância que tem a SUMA.

É nesta banda que penso manter-me durante muitos e bons anos ajudando a que esta continue activa e dando às gerações futuras a oportunidade de aprenderem música e se tornarem eles próprias músicos da SUMA para que esta se mantenha viva durante muitos e muitos anos.


Luís Carvalho

(Trompista)

Voce Esta: Home