Sociedade União Musical Alenquerense

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
  • Livro
  • 1 Dezembro 2016

Sociedade União Musical Alenquerense

Encontro de Bandas Alenquer - 2017

Eu e a S.U.M.A. - 18 Maio 2017

Antes de mais, gostava de referir que nunca tive o "bichinho da música" em mim. De facto, em pequenino (também ainda não sou muito grande), com os meus 6 anos, quando ouvia a banda tapava sempre os ouvidos. Se me tivessem perguntado, nessa altura, se acreditava que um dia estaria a tocar trompete numa banda, diria "claro que não. Eu? Alguma vez? Tanto barulho!" Mas como há pessoas que nos influenciam positivamente ao longo da vida, o meu professor de Educação Musical do 5° ano fez-me descobrir o gosto pela música.

Assim, em 2013 entrei para a SUMA. Como todos, comecei pelo solfejo e em setembro recebi o meu instrumento, o trompete, o qual ainda toco e não tenho intenções de mudar. Toquei pela primeira vez perante o público nesse mesmo ano na Festa de Natal, com o tema "Hino da Alegria". Errei logo a primeira nota, mas respirei fundo e recomecei de seguida, sem medos. Em 2014 entrei para a Orquestra Juvenil participando no meu primeiro concerto no dia 25 de abril e no dia 1 de dezembro desse mesmo ano entrei para a Banda. Têm sido quatro anos de alegria, companheirismo e cumplicidade mas também de muito trabalho, empenho, esforço, muitos "Da capo" e aprendizagem. Todos os concertos são especiais e únicos mas há um momento que me marcou e do qual eu me vou lembrar sempre, que foi a apresentação da peça Bugler’s Holiday, com os meus colegas trompetistas, no XVII Concerto de Gala, no dia 8 de dezembro de 2016.

Não posso deixar de agradecer aqui, publicamente, a quem muito me tem ensinado: aos maestros, fontes de inspiração e de admiração; ao meu professor de trompete pela sua paciência e por acreditar em mim e, finalmente, aos meus colegas músicos por se terem tornado, também, na minha família. Pessoalmente, acho bonito quando algo aparece do nada, e do nada se torna tudo. De certa forma, sinto que faço parte desta casa, assim como esta casa faz parte de mim também.

Desejo à SUMA, à direção, ao maestro, aos professores e a todos os colegas, os maiores sucessos musicais e um obrigado por fazerem parte da minha vida.

Vasco Rocha

(Trompetista)

 

Voce Esta: Home